Educação para a paz: valores morais aplicados a Educação

Autores

  • Adriana Slemian

Resumo

Educar é um processo complexo e problemático, ainda mais nos dias de hoje, tarefa que se torna ainda mais relevante nos tempos difíceis e incertos em que vivemos. Essa dificuldade e complexidade vêm aumentando tanto por fatores internos ao processo educacional (maior diversidade entre os alunos, choque de valores entre os diferentes setores da comunidade educacional, etc.), como por fatores externos (diversidade social e cultural, perda do valor da educação, perda de valores, consumismo, aumento da exclusão social, insegurança urbana, precarização do trabalho e incerteza social). Este trabalho busca destacar a persistência do uso e da divulgação da violência como forma de resolver conflitos, amparada em teorias como guerra justa, violência libertadora, violência como resposta ao inimigo, guerra preventiva, etc. Sem dúvida, são posicionamentos que dificultam e negam a ação educativa, exigindo dos educadores e cidadãos participantes de uma democracia uma resposta clara e convincente. Apresenta, ainda, o sistema educacional, como espaço de aprendizagem e convivência, que deve fornecer os instrumentos necessários à aprendizagem de uma cultura de paz e não-violência, oposta a qualquer forma de violência. A aprendizagem deve realizar-se com base na vivência das normas e dos valores da democracia, sistema que traz consigo o respeito aos direitos humanos, e também o cumprimento das regras e dos deveres inerentes. Nestes tempos turbulentos, incertos e difíceis, a função do sistema educacional é bastante delicada, mas absolutamente necessária e imprescindível como fator de equilíbrio social, de alfabetização para a diversidade de linguagens presentes na sociedade (já não basta ler e escrever) e na formação em valores básicos da convivência democrática, do respeito, da paz. Este último objetivo, que deve estar sempre presente em toda proposta educacional, é ainda mais necessário nos tempos atuais, em que as diversas formas de violência tentam estabelecer-se como “naturais” nas relações humanas.

Downloads

Publicado

2015-07-15

Edição

Seção

Artigos