Paciente Oncológico em Fase Terminal: Cuidados Paliativos como Medida de Conforto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-9524.2018v9n1p32-38

Resumo

A enfermagem tem como missão principal cuidar, especialmente, em se tratando do tratamento paliativo, a certeza de que não haverá possibilidades de cura para pacientes oncológicos, em estado terminal, traz aflições, desânimo, fragilidades e impotência de cunho psicológico, físico, social e espiritual aos pacientes e familiares. No entanto, a utilização de cuidados paliativos se faz necessária, a fim de se utilizarem métodos que proporcionem uma melhor aceitação, por parte do paciente, para as fases que antecedem a morte, facilitando assim, o tratamento e o convívio com profissionais de saúde e familiares.

Palavras-chave: Oncologia. Cuidar. Conforto. Fase Terminal. Enfermagem.

Abstract

Nursing has as its main mission to take care of, especially when it comes to palliative treatment, the certainty that there will not be possibilities of cure for cancer patients in the terminal state; it bring afflictions, discouragement, frailties and impotence of a psychological, physical, social and spiritual care to patients and their families, however, the use of palliative care is necessary in order to use methods that provide a better acceptance by the patient of the phases that precede death, facilitating thus the treatment and interaction with health professionals and family members.

Keywords: Oncology. Caring. Comfort. Terminal Phase. Nursing.

Biografia do Autor

Delcilene Moreira, Faculdade Anhanguera de Ciências e Tecnologia de Brasília. GO, Brasil.

A enfermagem tem como missão principal cuidar, especialmente se tratando do tratamento paliativo, a certeza  de que não haverá possibilidades de cura para pacientes oncológicos em estado terminal, trazem aflições, desânimo, fragilidades e impotência de cunho psicológico, físico, social e espiritual aos pacientes e familiares, no entanto a utilização de cuidados paliativos faz-se necessária a fim de se utilizar métodos que proporcione uma melhor aceitação, por parte do paciente, para as fases que antecedem a morte, facilitando assim, o tratamento e o convívio com profissionais de saúde e familiares.

Referências

Coelho MEM, Ferreira AC Cuidados paliativos: narrativas

do sofrimento na escuta do outro. Rev Bioét 2015;23(2):340-

Cardoso, D. H, et al. Cuidados paliativos na assistência

hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional. Texto

Contexto Enferm 2013;22(4):1134-41.

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a

perspectiva do profissional. Rev Bioética 2016;24(1).

Costa ICP. Cuidados paliativos na atenção básica: depoimentos

de profissionais da saúde. João Pessoa: Universidade Federal

da Paraíba; 2011.

Carvalho MM. Imunologia, estresse, câncer e o programa

Simonton de autoajuda. Bol Academia Paul Psicol 2000;10(1).

Trichopoulos D, Li FP, Hunter DJ. What causes cancer? Sci

Am 1996;275(3):50-6.

Müller AM, Scortegagna D, Moussalle LD. Paciente

oncológico em fase terminal: percepção e abordagem do

fisioterapeuta. Rev Bras Cancerol 2011;57(2):207-16.

WHO - World Health Organization. National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. Geneva:

WHO; 2002.

Sontag, S. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Graal;

Silva R, Hortale V. Cuidados paliativos oncológicos:

elementos para o debate de diretrizes nesta área. Cad. Saúde

Pública 2006;22(10):2055-66.

INCA - Instituto Nacional de Câncer José de Alencar

Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas,

Coordenação de Prevenção e Vigilância Diretriz para a

vigilância do câncer relacionado ao trabalho. Rio de Janeiro:

INCA; 2012.

Hayout I, Krulik T. A test of parenthood: dilemma of parents

of terminally ill adolescents. Cancer Nurs 1999;22(1):71-9.

Araujo MMT, Silva MJP. A comunicação com o paciente em

cuidados paliativos: valorizando a alegria e o otimismo. Rev

Esc Enferm USP 2006;41(4):668-74.

Carr-Gregg MRC. et al. Caring for the terminally ill

adolescents. Med J Austr 1997;166:255-8

Silva RCV. Planejamento da assistência de enfermagem ao

paciente com câncer: reflexão teórica sobre as dimensões

sociais. Esc Anna Nery 2011;15(1):180-5.

Silva EP. Sudigursky D. Concepções sobre cuidados paliativos:

revisão bibliográfica. Acta Paul Enferm 2008;21(3):504-8.

Floriani CA. Cuidados paliativos no domicílio: desafios aos

cuidados de crianças dependentes de tecnologias. J Pediatr

;86(1):15-20.

Piva JP, Garcia PCR, Lago PM. Dilemas e dificuldades

envolvendo decisões de final de vida e oferta de cuidados

paliativos em pediatria. Rev Bras Ter Intensiva 2011.

Pinto AC, Cunha AA, Othero MB, Bettebga RT, Barbosa

SM, Chiba T. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro:

Diagraphic; 2009.

Mendes EC, Vasconcellos LCF. Palliative cares on

cancer and the doctrinal principles of SUS. Saúde Debate

;39(106):881-92.

Yamaguchi AH, Andrade L, Carvalho SAP. Assistência

domiciliar: uma proposta interdisciplinar. Barueri: Manole;

Monteiro FF, Oliveira M, Vall J. A importância dos cuidados

paliativos na enfermagem. Rev Dor 2010;11(3):242-8.

Salimena AMO, Teixeira SR, Amorim TV, Paiva ACPC, Melo

MCSC. O vivido dos enfermeiros no cuidado ao paciente

oncológico. Cogitare Enferm 2013;18(1):142-7.

Gutierrez PL. Bioética, à beira d leito. Rev Ass Med Bras

;47(2):85-109.

Gargiulo CA. Vivenciando o cotidiano do cuidado na

percepção de enfermeiras oncológicas. Texto Contexto

Enferm 2007;16(4):696-702.

Stumm EM, Leite MT, Maschio G. Vivências de uma equipe

de enfermagem no cuidado a pacientes com câncer. Cogitare

Enferm 2008;13(1):75-82.

Frigato, Scheila; Hoga, Luiza Akiko Komura. Assistência à

mulher com câncer de colo uterino: o papel da enfermagem.

Rev Bras Cancerol 2003;49(4):209-14.

Kovasc MJ. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo:

Casa do Psicólogo; 2008.

Hermes HR, Lamarca ICA. Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde.

Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(9):2577-88.

Maciel MGS. Definições e princípios. In: Walsh D. Cuidado

paliativo. São Paulo: Cremesp, 2008. p.18-21.

Le Shan, L. O câncer como ponto de mutação. São Paulo:

Summus, 1992.

Simonton C, Simonton S, Creighton J. Com a vida de novo.São Paulo: Summus, 1987.

Holland J. Historical overview. In Holland J, Rowland J.

Handbook of psychooncology. New York: Oxford Press;

Minayo MC, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de Vida

e Saúde: um debate necessário. Cien Saúde Coletiva

;5(1):7-18.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-07-31

Edição

Seção

Artigos