Atuação do Profissional de Saúde no Controle e Prevenção das Principais Infecções Hospitalares

Autores

  • Adriana Cena da Silva Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Bruna Stefany M. Cardoso Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Clelton Silva Vilas Boas Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Douglas Cesar da S. Alves Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Joana Mendes Honorato Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Nicolly Kristine Valerio Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Thaynara Cristina Boico Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.
  • Pammela Gonzalez Anhanguera - Unidade II. CE, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-9524.2018v9n1p22-26

Resumo

O presente artigo, na forma de revisão, trata dos principais tipos de Infecções Hospitalares. È de suma importância ressaltar o papel do profissional de saúde no domínio e conhecimento nos cuidados prestados, levando em consideração a prática correta de assepsia das mãos, esterilização dos materiais, locais e ambiente de procedimentos invasivos, nos quais se realizam a assistência. Este artigo, por sua vez, aborda informações sobre as seguintes infecções: Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica; Infecção de Sítio Cirúrgico; Infecção de Corrente Sanguínea por Cateter Venoso Central e Infecção do Trato Urinário, abordando também a Sepse no processo de prevenção, identificação e cuidados, levando em consideração o alto risco de mortalidade. A conscientização dos profissionais da saúde é fundamental para evitar agravos relacionados.

Palavras-chave: Infecção Hospitalar. Profissional da Saúde.

Abstract
This article, in the form of a review, deals with the main types of Hospital Infections. It is extremely important to emphasize the health professional role in the field and knowledge in the care provided, taking into account the correct hand hygiene practice, sterilization of materials, places and environment of invasive procedures, where care is given. This article, in turn, addresses information on the following infections: Mechanical Ventilation-Associated Pneumonia; Surgical Site Infection; Bloodstream Infection by Central Venous Catheter and Urinary Tract Infection, also addressing Sepsis in the prevention, identification and care process taking into account the high risk of mortality. The health professionals’ awareness is essential to avoid related diseases.

Keywords: Hospital Infection. Health Professional.

Referências

Torres GV, Fonseca PC.B, Costa, IKF. Cateterismo vesical de

demora como fator de risco para infecção do trato urinário:

conhecimento da equipe de enfermagem de Unidade de

Terapia Intensiva. Rev Enferm UFPE 2010;4(2):453-60.

Turrini RNT, Santo AH. Infecção hospitalar e causas múltiplas

de morte. J Pediatr 2002;78(6):

Nogueira PSF, Moura ERF, Costa MMF, Monteiro WMS,

Bondi L. Perfil da Infecção Hospitalar em um Hospital

Universitário. Rev Enferm UERJ 2009;17(1):96-101.

Souza LCA, Alves RM, Santana CJ. Atribuições do

enfermeiro na prevenção da pneumonia associada a ventilação

mecânica na unidade de terapia intensiva. Rev UNINGÁ

;26(1):63-7.

Oliveira R, Maruyama SAT. Controle de infecção hospitalar:

histórico e papel do estado. Rev Eletr Enf 2008; 10(3):775-

Smeltzer SC. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Rio

de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

Villas Bôas PJF, Ruiz T. Ocorrência de infecção hospitalar

em idosos internados em hospital universitário. Rev Saúde

Pública 2004;38(3):372-8.

Potter PA, Perry AG. Fundamentos de enfermagem. Rio de

Janeiro: Elsevier; 2009.

Duarte G, Marcolin AC, Quintana SM, Cavalli RC. Infecção

urinária na gravidez. Rev Bras Ginecol Obstet

;30(2):93-100. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-

Pereira C, Bordignon JC. Infecção urinária em gestantes:

perfil de sensibilidade dos agentes etiológicos de gestantes

atendidas pelo SUS na cidade de Palmas – PR. Rev Bras Anal

Clín 2011;43(2):93-9.

Chaves NMO, Moraes CLK. Controle de infecção em

cateterismo vesical de demora em unidade de terapia

intensiva. Rev Enferm Cent- Oeste Min 2015;5(2):1650-

http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.773

Merces MC. A prática do (a) enfermeiro (a) na inserção

do cateter de Folley em pacientes de unidade de terapia

intensiva: limites e possibilidades. Rev Epidemiol Control

Infect 2013;3(2):55-61.

Cardoso SAC, Maia LFS. Cateterismo vesical de demora na

UTI adulto: o papel do enfermeiro na prevenção de infecção

do trato urinário. Recien 2014;4(12):5-14.

Silva JP, Brandão JOC, Medeiros CSQ. Intervenção de

enfermagem na prevenção das infecções do trato urinário

relacionado ao cateterismo vesical de demora: uma revisão

integrativa da literatura. Ciências Biol Saúde 2014;1(3):21-

Roriz-Filho JS. Infecção do trato urinário. Rev Med Ribeirão

Preto 2010;43(2):118-25.

Reis RAAS, Castro ACS, Devotte NC. Infecções hospitalares

do trato urinário: percepções da equipe de enfermagem. Rev

Eletr Interdisc 2017;1(17).

Mendonça KM, Neves HCC, Barbosa DFS, Souza ACS,

Tipple AF, Praso MA. Atuação da enfermagem na prevenção

e controle de infecção de corrente sanguínea relacionada a

cateter. Rev Enferm UERJ 2011;19(2)330-3.

Guimarães AC, Donalisio MR, Santiago THR, Freire JB.

Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em

um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil. Rev Bras Enferm

;64(5):864-9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-

Ribeiro JC, Santos CB, Bellusse GC, Rezende VF, Galvão

CM. Ocorrência e fatores de risco para infecção de sítio

cirúrgico em cirurgias ortopédicas. Acta Paul Enferm

;26(4):345-52. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-

Romanzini AE, Jesus APM, Carvalho E, Sasaki VDM,

Damiano VB, Gomes Junior J. Orientações de enfermagem

aos pacientes sobre o autocuidado e os sinais e sintomas de

infecção de sítio cirúrgico para a pós-alta hospitalar de cirurgia

cardíaca reconstrutora. Rev Enferm UFMG 2010;14(2):239-

Oliveira AC, Ciosak SI, D’lorenzo C. Vigilância pós-alta e o

seu impacto na incidência da infecção do sítio cirúrgico. Rev

Escola Enferm USP 2007;41(4):653-9.

Kunzle SRM, Pereira CS, Alves KC, Pelá NTR, Gir E.

Auxiliares e técnicos de enfermagem e controle de infecção hospitalar em centro cirúrgico: mitos e verdades. Rev

Escola Enferm USP 2006;40(2):214-20. doi: http://dx.doi.

org/10.1590/S0080-62342006000200009

Oliveira AC, Carvalho DV. Avaliação da subnotificação da

infecção do sítio cirúrgico evidenciada pela vigilância pósalta.

Rev Latinoam Enferm 2007;15(5).

Dalmora CH, Deutschendorf C, Nagel f, Santos RP, Lisboa

T. Definindo pneumonia associada à ventilação mecânica:

um conceito em (des)construção. Rev Bras Ter Intensiva

;25(2):81-6. doi: 10.5935/0103-507X.20130017

Amaral JM, IVO OP. Prevenção de pneumonia associada à

ventilação mecânica: um estudo observacional. Rev Enferm

Contemporânea 2016;5(1):109-17.

Silva SG, Nascimento ERP, Salles RK. Pneumonia associada

à ventilação mecânica: discursos de profissionais acerca da

prevenção. Escola Anna Nery 2014;18(2):290-5.

Gonçalves FAF, Brasil VV, Ribeiro LCM, Trippçe AFV.

Ações de enfermagem na profilaxia da pneumonia associada

à ventilação mecânica. Acta Paul Enferm 2012;25(1):101-7.

doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000800016

Publicado

2018-09-11

Edição

Seção

Artigos