Humanização no Setor Hospitalar: uma Prática a ser Revisada

Autores

  • Sue Ellen Ferreira Modesto Rey de Figueiredo Universidade de Cuiabá, Faculdade de Psicologia. MT, Brasil.
  • Darklê Ferreira Modesto Barbosa Centro Universitário de Várzea Grande, Faculdade de Odontologia. MT, Brasil.
  • Wellen Thais da Silva Rodrigues Universidade de Cuiabá, Faculdade de Psicologia. MT, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2176-9524.2018v9n1p14-16

Resumo

A bioética e a humanização da assistência à saúde da população ocupam um espaço estratégico nas discussões sobre as necessidades de mudança nos processos de formação médica. Com a necessidade de melhorar a qualidade dos serviços prestados, a humanização é vista como a capacidade de oferecer atendimento de qualidade, articulando os avanços tecnológicos com o bom relacionamento. A humanização em saúde é uma das políticas prioritárias do setor da saúde, atualmente em implementação em nosso país, uma vez que promover saúde e humanizar a atenção à saúde são trabalhos processuais de longo prazo, dinâmicos e intimamente relacionados com o contexto em que se desenvolvem. O presente artigo apresenta uma reflexão sobre a política de humanização, presente no Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH), abordando de forma concisa a estrutura e o momento atual do sistema de saúde, traçando um breve histórico crítico sobre o conceito de humanização e sua inter-relação com o sujeito e seu coletivo nos serviços de saúde.

Palavras-chave: Humanização da Assistência. Promoção da Saúde. Psicologia Médica.

Abstract
Bioethics and humanization of the population assistance fills a strategic space in discussions about the necessity for change in the medical education process. The necessity to the improvement of the provided quality of services, humanization is seen as the ability to offer quality of care, combining technological advances with good relationship. The assistance humanization is a priority in public health currently being implemented in our country. Health promotion and humanization of health care takes a hard work, it is dynamic and it is associated with the context. This article aimed to present a reflection about the humanization policy, present in the National Humanization of Hospital Care (PNHAH), approaching concisely the structure and the current situation of the health system, describing a brief critical history of the concept of humanization and its relationship with the subject and its collective in health services.

Keywords: Assistance Humanization. Health Promotion. Medical Psychology.

Biografia do Autor

Sue Ellen Ferreira Modesto Rey de Figueiredo, Universidade de Cuiabá, Faculdade de Psicologia. MT, Brasil.

Psicóloga, Doutora em Oncologia, Mestre em Psicologia da Saúde, Professora da Faculdade de Psicologia da Universidade de Cuiabá (UNIC).

Darklê Ferreira Modesto Barbosa, Centro Universitário de Várzea Grande, Faculdade de Odontologia. MT, Brasil.

Cirurgiã-Dentista, Doutora em Oncologia, Mestre em Clínica Odontológica, Professora da Faculdade de Odontologia do Centro Universitário de Várzea Grande (UNIVAG).

Wellen Thais da Silva Rodrigues, Universidade de Cuiabá, Faculdade de Psicologia. MT, Brasil.

Academica da Faculdade de Psicologia da Universidade de Cuiabá (UNIC).

Referências

Houaiss A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de

Janeiro: Objetiva; 2001.

Nogare PD. Humanismo e anti-humanismo: introdução à

antropologia filosófica. Petrópolis: Vozes; 1977.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre humanização

da assistência hospitalar. Ciênc. Saúde Coletiva 2004; 9 (1):

-13.

Brasil. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo

saúde nos municípios. Brasília: MS; 2005.

Brasil. Legislação Federal e Estadual do SUS. Lei n. 8.080,

de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para

a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização

e funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras

providências. Porto Alegre: Secretaria da Saúde. Legislação

Federal e Estadual do SUS., 2000,.

Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza SUS: Política

Nacional de Humanização. Brasília: MS; 2003.

Rio Grande do Sul. Secretaria Estadual da Saúde. Guia de

serviços de saúde mental do Rio Grande do Sul: cuidar sim,

excluir não. Porto Alegre: Secretaria Estadual da Saúde;

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à

Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência

Hospitalar. Brasília: MS; 2001.

Heckert ALC, Passos E, Barros MEB. Um seminário

dispositivo: a humanização do Sistema Único de Saúde

(SUS) em debate. Interface Comunic Saúde Educ 2009; 13:

-502.

Seidl E, Zannon C. Qualidade de vida e saúde: aspectos

conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública 2004; 20

(2): 580-8.

Kipper DJ, Clotet J. Princípios da beneficência e nãomaleficência.

In: Costa SIF. Iniciação à bioética. Brasília:

Conselho Federal de Medicina; 1998.

Pessini, L. Humanização da dor e sofrimento humanos no

contexto hospitalar. Bioética 2002;10(2).

Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões.

In: Mattos RA, Pinheiro R. Os sentidos da integralidade na

atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO;

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.

Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização.

Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores

do SUS. Brasília: MS; 2004.

Mota RA, Martins CGM, Veras, RM. Papel dos profissionais

de saúde na política de humanização hospitalar. Psicol Estud

; 11 (2): 323-30.

Freyre, K. Era uma vez: laboratório de sonhos. Recife: UPE;

Souza, APFS, Carvalho, FT, Nardini, M, Calvetti, PU,

Gil, ME. A humanização no atendimento: interfaces entre

psicologia da saúde e saúde coletiva. Bol Saúde 2005; 19

(2):21-8.

Downloads

Publicado

2018-07-31

Edição

Seção

Artigos