Plantio Direto na Cultura da Mandioca

Autores

  • Eduardo Barreto Aguiar Universidade Anhanguera-Uniderp, Docente do Programa de Pós-graduação em Produção e Gestão Agroindustrial. MS, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9525-7559
  • Eloty Justina Dias Schleder Universidade Anhanguera-Uniderp, Docente do Curso de Agronomia. MS, Brasil.
  • Vitor Hugo dos Santos Brito Universidade Anhanguera-Uniderp, Docente do curso de Agronomia. MS, Brasil.
  • Flávio Augusto Faedo Aguena Universidade Anhanguera-Uniderp, Mestrando do Programa de Pós-graduação em Produção e Gestão Agroindustrial. MS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/1415-5141.2021v25n1p02-09

Resumo

A cultura da mandioca ocupa uma área plantada no Brasil de 1,4 milhões de ha. É a quarta cultura em volume de produção sendo cultivada em sua maioria em solos arenosos e de baixa fertilidade por pequenos agricultores e agricultores familiares. Na região Centro-sul do Brasil é cultivada em grandes áreas com alto nível tecnológico, onde se obtém elevadas produtividades. Por ser cultivada em largos espaçamentos e recobrir mal o solo é altamente susceptível aos processos erosivos. Comparada aos cereais sua produtividade é superior, podendo atingir valores acima 35 t.ha-1, e por isso extrai grandes quantidades de nutrientes, principalmente K. O plantio direto é considerado um sistema conservacionista que reduz as perdas por erosão e aumenta os teores de matéria orgânica reduzindo também as perdas de nutrientes por lixiviação principalmente em solos arenosos. Nos últimos anos avanços foram feitos no que se refere ao plantio direto da mandioca, refletindo no crescente aumento das áreas sob este sistema. Entretanto os resultados de pesquisa não são conclusivos devido ao pequeno número de experimentos conduzidos, e pela ausência de experimentos de longa duração, que melhor avaliam os efeitos dos diferentes sistemas de produção. Tradicionalmente, os efeitos do plantio direto nos primeiros anos são indiretos, refletindo em produtividade nos sistemas já estabilizados após 2 ou 3 anos de implantação. Contudo boa parte dos resultados relatados são promissores, e demonstram elevado potencial para a melhoria da competitividade da cultura e a sustentabilidade destes agroecossistemas.

 

Palavras chave: sustentabilidade, sistemas de produção, conservação do solo.

 

Abstract

Cassava crop is cultivated on 1.4 million ha. It is the fourth crop in terms of production amount, mostly cultivated on sandy and low-fertility soils by small farmers. In the Center-South region of Brazil it is grown in large areas with high technological level, where high yields are obtained. Because it is cultivated in large spaces and covers the soil poorly, it is highly susceptible to erosive processes. Compared to cereals, its productivity is higher, reaching values ​​above 35 t.ha-1. With this it extracts large amounts of nutrients, mainly K. No-tillage is considered a conservation system that reduces losses by erosion, increases the contents of organic matter and also reduces the losses of nutrients by leaching mainly in sandy soils. Many advances have been made towards the development of no-tillage of cassava, culminating in the growing increase in areas under this system. However, the research results are not conclusive due to the small number of experiments, and the absence of long-term experiments. Traditionally, the effects of no-till in the first years are indirect, reflecting on productivity in systems already stabilized after 2 or 3 years. However, part of the reported results is promising, and demonstrate high potential for improving the competitiveness of culture and the sustainability of agro-ecosystems.

 

Keywords: sustainability, production systems, soil conservation.

Downloads

Publicado

2021-06-14

Edição

Seção

Artigos