EMPATIA NA RELAÇÃO ALUNO/PROFESSOR/CONHECIMENTO

Autores

  • Antonio Carlos Brolezzi

Resumo

Este artigo explora releituras de clássicos da educação do século XX, como Vigotski, Bachelard e Rogers, e ainda um autor do século XV, Nicolau de Cusa, não para apresentar o que eles têm de totalmente diferente, mas o que o que têm em comum. Uma espécie de comunhão atemporal de ideias, uma empatia entre autores importantes preocupados com a relação entre os seres humanos e deles com o conhecimento. Nessa releitura, faremos uso do construto empatia, resposta afetiva ou cognitiva vicária a outras pessoas. Adotamos a definição de Batson de que empatia é mobilização para o outro, para introduzir a ideia de que a empatia possibilita a mobilização para o conhecimento novo, uma projeção para fora de si mesmo, em direção ao universo. Nesse caminho, abordamos os construtos de zona de desenvolvimento proximal, obstáculos epistemológicos, douta ignorância e projeção mental para então refletir, por meio dessa análise integrada, sobre a influência dos próprios conhecimentos, ou sobre o que achamos conhecer, no olhar sobre os conhecimentos alheios e o mundo da cultura.

Downloads

Publicado

2015-08-28

Edição

Seção

Artigos