Jazz e o Direito: o que pode a música na di(k)cção jurídica?

  • Belmiro Jorge Patto

Resumo

O presente trabalho trata da interdisciplinaridade da música e do Direito como forma de melhor conhecer e desenvolver conceitos e problematizações no âmbito jurídico. Visa identificar na voz humana a característica principal do próprio humano e nota fundamental para que o Direito possa alcançar seus objetivos enquanto arte/ciência. Aponta para a perda da dimensão sonora do Direito como um de seus problemas fundamentais, perda esta em detrimento da forma escrita formalizada e burocratizada. Apresenta as características principais do jazz enquanto estilo musical e enquanto possibilidade artística originalmente criativa. Aponta no Direito as conseqüências da não observância da oralidade e como resultado a perda da dimensão da alteridade, sua formalização e esterilização na escrita. Ensaia a aproximação da música e do Direito no problema levantado por Alexy em sua doutrina da colisão de princípios. Indica o equívoco da metáfora e propõe soluções através da interação dessa problemática com a música e sua estética.
Publicado
2015-07-08
Seção
Artigos